Navegación – Mapa del sitio

Vol. 7, No 1 | 2018
Juventudes e Músicas Digitais Periféricas

Youths and Peripheral Digital Music
  • Dossiê "Juventudes e Músicas Digitais Periféricas"

    Bajo la dirección de Frank Marcon, Livia Jiménez Sedano y Otávio Raposo

    Nos últimos anos, uma série de ritmos musicais foram gerados e difundidos no triângulo pós-colonial entre África, América e Europa e que estão a triunfar a nível global: a kizomba, o kuduro, o rap, o funk, o forró, a salsa, entre outros. Tais expressões musicais têm se globalizado a um ritmo vertiginoso através das migrações internacionais e de plataformas comunicativas fundamentais na era/geração digital (Feixa, 2015) tais como youtube, spotify e facebook.

    Esses ritmos têm invadido espaços sonoros quotidianos tanto na internet quanto em canais de televisão, rádios comerciais, espaços públicos e pistas de dança de ambos os lados do Atlântico (Kabir 2014). Ao incorporar-se a novos contextos, adquirem novos significados políticos e sociais, promotores de sociabilidades alternativas e estilos de vida inovadores, passíveis de, por vezes, subverter as dinâmicas de segregação urbana, racismo, pobreza e violência. Nesses trânsitos musicais, de pessoas e de experiências, também emergem questões de poder implicadas pelas diásporas e pelas memórias relativas ao colonialismo.

    O papel de mediação de sentidos sociais através da música tem-se mostrado intenso nas pistas de dança, bares, ruas, bairros e lugares associados à presença migratória. Produtores, DJs, MCs, músicos e dançarinos são alguns dos agentes que dinamizam rituais de produção musical e reuniões dançantes, articulando polifonias de discursos e sentidos sobre tais experiências. As novas tecnologias e redes digitais são basilares nesses processos, ao propiciar que artistas vinculados a áreas marginalizadas dos centros urbanos possam romper o bloqueio da indústria cultural.

    O objetivo deste dossiê é explorar desde os rituais de sociabilidade e performance protagonizados pelos jovens periféricos nos espaços mencionados; às suas narrativas discursivas, rítmicas e corporais; até os processos da economia da cultura numa perspetiva dos novos circuitos e experiências profissionais, bem como em termos de consumo cultural, representação política e disputas de poder. Também pretendemos debater o papel de certos atores nesses processos – produtores, músicos, dançarinos e djs -, cuja agência e produção cultural configuram novas formas de entendimento sobre a sociedade contemporânea. Para isto, partimos da perspetiva antropológica, embora interdisciplinar, aberta também as contribuições de outras disciplinas afins como a sociologia, a etnomusicologia, as ciências da comunicação, as artes e os estudos urbanos e da performance.

    Como resultados esperados, pretendemos oferecer um panótico de perspetivas das diversas ciências sociais sobre as expressões artísticas ligadas à música digital, assim como contribuir para a reflexão mais geral sobre os modos pelos quais as esferas da arte e cultura adquirem um alto valor simbólico na configuração tanto de projetos profissionais como de “redes de significado” (Geertz, 2008) que servem de contraponto ao estatuto subalterno a que muitos são relegados. Pretendemos destacar, também, os papéis ocupados pelos jovens periféricos no manejo das músicas digitais, bem como as suas experiências e percursos de vida nos distintos contextos de poder implicados pela idade, pela classe, pela etnia, pela religião, pelo género e/ou pelo estilo de vida.

  • Artigos

    Articles
  • Ensaios (audio)visuais

    (Audio)visual essays
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • Revues.org