Navegação – Mapa do site
Dossiê "Políticas de Visualidade, Práticas Visuais e a Construção de Espaços de Imaginação"
Artigos

Dias de Índio: Performance, estética, política e a presença dos Xavante na televisão da década de 1980

Indians Days: Performance, aesthetics, politics and the Xavante’s presence in 1980’s television
Samuel Leal
p. 81-96

Resumos

Os Xavante têm uma longa relação com as imagens. Sua história, notadamente a partir de meados do século XX, é marcada por uma intensa presença em imagens. Isso significou muitas vezes captura, mas também emancipação. O autor propõe lançar um breve olhar para o momento em que grupos xavantes começam a se conscientizar das possibilidades do uso das imagens em seu favor. Tomamos como material de análise dois trechos de programas televisivos da década de 1980, cuja especificidade é a consciência de sujeitos xavantes de se exporem como imagem a partir de objetivos políticos definidos. São iniciativas que, ainda que não tenham sido plenamente bem-sucedidas, produziram imagens singulares que constituem usos políticos da linguagem audiovisual

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chave :

xavante, imagem, política, identidade
Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2016-10-31
Aceitado em: 2017-05-25

Extracto do texto

Este documento será publicado online em texto integral em Outubro 2017.

Mapa

Introdução
Os Xavante e as imagens técnicas
Ver o Outro: a política pelas imagens
Brincando de Índio: imagem e conflito
Limites: imagem e dispositivo
O deputado e a gravata
Conclusão

Visualização do texto

Introdução

O imaginário acerca do indígena brasileiro é mobilizado desde o século XVI em diferentes contextos políticos, culturais e sociais. Duas figuras recorrentes são os estereótipos do bom e do mau selvagem. Manuela Carneiro da Cunha associa essas figuras a duas tradições distintas de caracterização dos nativos do atual território do Brasil, consolidadas ao longo do século XVI: uma tradição francesa que os exalta e outra ibérica que os deprecia (2009b:199). Mesmo entre os colonizadores portugueses ela aponta diferentes disposições quanto aos vários grupos nativos: os Tupi eram tidos como indígenas honrados, praticantes de uma antropofagia ritualística baseada na vingança; já para os Aimoré, Tapuia e Oitacás era reservado o lugar do nativo bárbaro e selvagem, afeito ao canibalismo alimentar movido simplesmente pela fome (Cunha 2009b:200).

Mais recentemente, idealizações sobre os povos nativos do território brasileiro como lastro da identidade nacional fizeram parte da literatura r...

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Samuel Leal, « Dias de Índio: Performance, estética, política e a presença dos Xavante na televisão da década de 1980 », Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 6, No 2 | -1, 81-96.

Referência eletrónica

Samuel Leal, « Dias de Índio: Performance, estética, política e a presença dos Xavante na televisão da década de 1980 », Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 6, No 2 | 2017, posto online no dia 01 Outubro 2017, consultado o 17 Agosto 2017. URL : http://cadernosaa.revues.org/1298 ; DOI : 10.4000/cadernosaa.1298

Topo da página

Autor

Samuel Leal

Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil

samuca.leal@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© Cadernos de Arte e Antropologia

Topo da página
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • Revues.org