Navegação – Mapa do site
Dossiê "Políticas de Visualidade, Práticas Visuais e a Construção de Espaços de Imaginação"
Artigos

A noção de espera no contexto da experiência artística: “puxar o gatilho” vs. “recolher no chão”

The concept of waiting within artistic experience: “pulling the trigger” or “picking up from the ground”
António Contador
p. 11-17

Resumos

A minha proposta visa problematizar a noção de espera no contexto da experiência artística. Assente comummente numa dupla erudição - o saber-cifrar do artista, o saber-decifrar do espectador -, esta última remete para o esforço e a antecipação, ao passo que a espera induz a demissão do artista e do espectador face aos respectivos saberes. Nesse contexto, coadjuvado por um espectador impelido em associar-se ao projecto, o artista é aquele que “puxa o gatilho” do objecto criado na senda da revelação da obra. Porém, é possível pensar numa espera promotora da experiência artística baseada na “recolha no chão”, isto é na retracção do artista e do espectador face ao saber-cifrar e saber-decifrar, fazendo com que a obra, agora não antecipável, seja recolhida caridosamente e sem esforço num qualquer “chão”.

Topo da página

Notas da redacção

Recebido em: 2016-09-19
Aceitado em: 2017-04-16

Extracto do texto

Este documento será publicado online em texto integral em Outubro 2017.

Mapa

A espera como disponibilidade expectante
A espera como disponibilidade em acolher
A espera como disponibilidade expectante: o artista que “puxa o gatilho”
A espera como disponibilidade em acolher: o artista que “recolhe no chão”

Visualização do texto

A espera como disponibilidade expectante

O ponto de partida desta análise é a ideia de que o projecto do ser está comummente associado à noção de esforço; se ser implica caminhar até si, esse processo de transformação e de mobilidade, cuja consciência irrompe num instante de revelação, não se concretiza sem o esforço que dita a saída do “ir sendo” em direcção ao ser. Assim, o dito projecto resume-se na fidelidade a esse momento lustral manifestado pelo indivíduo que decide, nesse instante, não deixar que a espera - o não esforço - o molde como o tem feito até aí. Aceitar fazer esse esforço é não ficar à espera de viver a vida sem se ser quem decide da rota a seguir. A caminhada, essa, assume vários formatos em função da orientação filosófica: marcha em sentido contrário, através da qual o ser é relembrado na sua forma essencial (Platão 2004), ou recriado a partir dum vulto reminiscente (Kierkegaard 1990); marcha contra a inércia do corpo e do espírito (Maine de Biran 1966); marcha em...

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Contador, « A noção de espera no contexto da experiência artística: “puxar o gatilho” vs. “recolher no chão” », Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 6, No 2 | -1, 11-17.

Referência eletrónica

António Contador, « A noção de espera no contexto da experiência artística: “puxar o gatilho” vs. “recolher no chão” », Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 6, No 2 | 2017, posto online no dia 01 Outubro 2017, consultado o 16 Agosto 2017. URL : http://cadernosaa.revues.org/1252 ; DOI : 10.4000/cadernosaa.1252

Topo da página

Autor

António Contador

Instituto Acte, Universidade Paris 1, França

Doutorado em artes plásticas, estética e ciências da arte pela Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne (França). Investigador associado ao Instituto ACTE - UMR 8218 (CNRS/Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne, França).

antoniocontador@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© Cadernos de Arte e Antropologia

Topo da página
  • Logo ERIH PLUS
  • Logo EBSCO – EBSCOhost Online Research Databases
  • Logo Latindex – Sistema de Información sobre las revistas de investigación científica
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo Navba
  • Revues.org